Quais são seus limites?

Atualizado: 25 de jun. de 2019


Transtorno de Personalidade Borderline


È uma condição mental grave e complexa cujos sintomas instáveis podem invadir o indivíduo de modo súbito, caótico, avassalador e desenfreado. Segundo o DSM-V (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5ª Ed. 2013).


O surgimento das características Borderline ocorre no início da adolescência ou no início da vida adulta.


O termo Transtorno de Personalidade Borderline é caracterizado pelo limite entre a sanidade e loucura, para psicanálise seria estar na fronteira entre a neurose e a psicose.


O TPB promove uma instabilidade emocional, sentimentos intensos e polarizados do tipo “adora tudo isso” ou “odeio tudo isso”, angústia de abandono, entre outros. Apresentam ainda comportamentos impulsivos por conta destes sentimentos os quais podem oferecer risco a pessoa, pois pode causar comportamentos de autoagressão, tentativas de suicídio devido e um sentimento intenso de desinteresse em quase tudo.


As pessoas que acometidas pelo Transtorno apresentam uma mudança repentina e expressivas de humor, na maioria das vezes tem dificuldades em relacionar-se, pois as pessoas ao seu redor não entendem a dinâmica do pensamento do Borderline. O medo do abandono que pode ser real ou imaginado é tão intenso que causa um sentimento de vazio angustiante.


Alguns Sintomas


· Esforços desesperados para evitar abandono real ou imaginário

· Padrão de relacionamentos interpessoais instáveis e intensos caracterizado pela alternância entre extremos de idealização e desvalorização

· Perturbação da identidade: instabilidade acentuada e persistente da autoimagem ou da percepção de si mesmo

· Impulsividade em pelo menos duas áreas potencialmente autodestrutivas (gastos, sexo, abuso de substância, direção irresponsável, compulsão alimentar)

· Recorrência de comportamento, gestos ou ameaças suicidas ou de comportamento automutilante.

· Instabilidade afetiva devida a uma acentuada reatividade do humor, irritabilidade ou ansiedade intensa com duração geralmente de poucas horas e apenas raramente de mais de alguns dias)

· Sentimentos crônicos de vazio

· Raiva intensa e inapropriada ou dificuldade em controlá-la (mostras frequentes de irritação, raiva constante, brigas físicas recorrentes)

· Ideação paranoide transitória associada a estresse ou sintomas dissociativos intensos.


Tratamento


 Após o diagnóstico efetuado através de uma minuciosa avaliação psiquiátrica o tratamento inicial é a psicoterapia que o auxiliará a entender o seu comportamento e poder controlar melhor seus impulsos.


E lembre-se nunca estamos sós, sempre há uma saída e se não conseguir caminhar até este lugar, busque ajuda de um psicólogo.

54 visualizações0 comentário